FICOU TANTO POR DIZER... Pego na caneta e no papel, Para te escrever algo especial, Mas não consigo... Não consigo dizer-te tudo o que sinto... Não consigo sequer pensar... Ou talvez não queira nem lembrar, Que já não estás... aqui! Aqui ao meu lado para te poder abraçar... Como sinto a tua falta! Sinto saudades da tua voz, Que apesar de impor respeito Se enchia de carinho e ternura Sempre que me chamavas “Pandorca” Todos os anos, no dia 19 de Março Te fiz um presente, Com muito amor e gratidão! E esperava ansiosamente por ti Para te poder ver sorrir, E o olhar brilhar Com uma lágrima no canto do olho Que tentavas sempre disfarçar... E naquele dia... 19 de Março Lá estava eu ansiosa por te ver chegar... Por te poder dar o meu presente, Como tantas outras vezes o tinha feito... Mas tu não vieste... Eu não percebi porquê e esperei... Esperei... Esperei... Mas nunca mais voltaste para junto de mim... Porquê Pai?? Porque quis Deus levar-te para junto dele?? Porque nos tirou ele o nosso “pilar”?? Porque nos deixou tão vazios?? Porquê Pai?? Até hoje guardo o teu presente Com o mesmo amor e gratidão... Porque sei que um dia vou poder estar ao teu lado E nesse dia sou eu que vou chorar... de alegria! Alegria por te reencontrar... Por te poder dizer o que não tive tempo: Que sempre te Amei, meu Pai! Partiste tão cedo... Deixaste-me com tanta saudade! E com tanto para fazermos juntos... Ainda me lembro... De te ver deitado naquele caixão tão escuro... E sempre que olhava para ti... Via-te sorrir... Porque cá dentro eu sabia Que nunca me irias deixar... Ainda me lembro... Do último beijo que te dei... Estavas tão frio... meu Pai! Mas só o teu corpo arrefeceu, eu sei! Porque o teu coração... Continuou sempre aquecido com o nosso Amor! Hoje, já tanto se passou Na vida da tua pequenita “Pandorca”!... Mas nem por um segundo deixaste de estar presente... No meu coração... No meu pensamento... E na minha oração! Foi sempre em ti, meu Pai Que busquei a força para seguir o meu caminho... Foi em ti que arranjei coragem para enfrentar cada desilusão... Foi a ti, que sempre pedi ajuda... Ajuda para não cair na escuridão... Desejei muitas vezes que me tirasses deste Mundo cinzento... Pedi-te muitas vezes que me chamasses para junto de ti, meu Pai... Mas tu sempre soubeste o que seria melhor para mim E talvez por isso me deixaste ficar! Deste-me sempre a mão Na hora que eu mais precisei! E quando eu estava triste e a chorar... Enviavas sempre alguém para me alegrar... Perdoa-me Pai! Perdoa-me por todos aqueles momentos Em que te desiludi... Pela minha fraqueza... De tentar tantas vezes... Desaparecer... Por achar que sabia o que era melhor para mim... Perdoa-me se algumas vezes achei que não me ouvias... E fiz tantas asneiras... O que te dizer meu Pai? Se mesmo já não estando aqui... Continuas e sei que continuarás presente E a cuidar da tua “Pandorca”! O que dizer... a não ser Obrigada Pai! Obrigada por tudo o que me fizeste Obrigada por tudo o que ainda me dás Obrigada por estares sempre comigo E olhares por mim... mesmo daí onde estás... No Céu! Que Deus te abençoe meu Pai! Da tua sempre Pandorca